2 de julho de 2012

Entrevista: Kuazar - O Poder do Metal Latino Americano

(Para leer la versión en español, haga clic aquí)
Kuazar Mostrando o poder do underground Latino 
É com imenso prazer que apresentamos nossa primeira entrevista internacional, com a banda paraguaia Kuazar. Conversamos com o guitarrista e vocalista Jose Maria Gonzalez, que nos conta sobre o underground em seu país, as conquistas da banda e seus próximos passos para conquistar de vez o underground Sul Americano.

Com vocês, Kuazar:
HAH: No ano e 2009 vocês lançaram seu 1° álbum “Whrath of God” de modo independente, no qual teve tiragem esgotada em seu país, sendo relançado ano passado. Com apenas um álbum lançado vocês conseguiram grande projeção na America do Sul, a que se deve este sucesso?

JM: Putz obrigado! Bom, eu acho que é devido a que a gente não brinca em serviço hahahaha! Para nós o Metal é coisa seria e a gente adora tocar Metal, alem disso a gente e bem auto critico na hora de compor as musicas, nós gostamos muito de colocar coisas interessantes nas musicas do Kuazar... Acho que os metalheads estão gostando disso.

HAH: Em 2011 vocês foram uma das bandas de abertura para o Megadeth no Paraguai, como foi para vocês tocarem junto com um dos ícones do Thrash Metal mundial, ainda mais sendo ovacionados pelo publico?

JM: Foi inacreditável, logo depois da gente ter vencido por voto popular as enquetes de quem deveria tocar com o Megadeth já foi muito louco, a galera estava muita ansiosa por ver esse show, nunca uma banda de Thrash Metal desse porte tinha tocado no Paraguai. O dia do show foi melhor ainda à gente tomou café da manhã com a galera do Megadeth e conversamos bastante com o guitarrista do Megadeth o Chris Broderick que é muito gente boa por sinal, ele até pediu pra gente um cd do Kuazar o que foi até difícil de acreditar! E a reação da galera foi uma coisa que nem a gente esperava, nós estávamos bastante nervosos e emocionados ao mesmo tempo, é muito difícil abrir um show assim, mas logo depois dos primeiros riffs a gente percebeu que era pra nós soltarmos a pauleira e se divertir! A sensação foi a melhor possível, umas 6000 pessoas (na hora que a gente estava no palco) gritando o nome da banda, batendo cabeça e pulando como locos... Isso foi demais!!! Muito emocionante.

Confira o Kuazar sendo ovacionado no show de abertura para o Megadeth

HAH: “Kuriju” é uma composição diferenciada do álbum “Whrath of God” que tem seu refrão cantado em guarani, sem contar o instrumental altamente técnico. Qual foi a inspiração por trás da mesma? 

JM: “Kuriju” quer dizer “Anaconda” em guarani, um dia meu pai (Isidro Gonzalez) foi ver um ensaio da banda e leu algumas letras nossas, pouco tempo depois ele fez uma letra comparando os políticos com a cobra Anaconda e alem do mais com o refrão em guarani. E ele deu a letra pro Kuazar e a gente gostou muito da ideia de cantar em nosso idioma nativo. Outro detalhe massa que o riff inicial da musical foi criado pelo nosso baterista hahaha!! Depois disso a musica foi elaborada bem lentamente a letra foi adaptada pra que fique musical, e os riffs foram bolados com tempo... A gente queria mesmo que está musica transmitisse raiva e insatisfação, por que a corrupção é um fator comum na latino America e acho que este também é um fator que faz com que os bangers se sintam identificados com “Kuriju”. Um detalhe massa é que o caricaturista NICO (Nicodemus Espinoza) um dos mais afamados do Paraguai, fez um desenho em homenagem a está musica. O que fez que a galera se sentisse ainda mais interessada na musica. 

“KURIJU mboi guasu ndahuguataiba nande politico kueraicha”
“ANACONDA grande serpente que nunca se satisfaz igual a nossos políticos” 

HAH: Já se passaram três anos do lançamento de “Whrath of God”, o Kuazar já esta trabalhando em seu sucessor? 

JM: Sim, nos já temos mais da metade do que vai ser o nosso próximo álbum, e temos muitas letras e riffs soltos, que ainda estamos esperando pra colocar onde seja melhor e cause o maior estrago possível. 

HAH: Como é o underground em seu país? Rola muita rivalidade entre as bandas? 

JM: O underground no Paraguai esta crescendo muito, temos shows muito bons onde bandas nacionais são atração principal, e muitos metalheads estão começando a consumir o Metal paraguaio pra valer. Acho que rivalidade sempre rola, mas o ambiente em geral é muito legal, a galera sabe que esse é um momento bom do Metal e do rock em nosso país, então muitas bandas estão trabalhando juntas. E isso é muito bom. 


HAH: O Kuazar tem letras extremamente políticas, qual a visão de vocês sobre situação interna de seu país com queda do presidente Lugo? 

JM: O Kuazar e eu pessoalmente não estamos a favor de Lugo, mas sim estamos a favor do processo democrático. Faltando tão pouco para as eleições, isso que foi feito e do jeito que foi feito não tem sentido algum, internacionalmente somos vistos como um país atrasado por culpa do que aconteceu e isso não é assim, é muito triste. Tem políticos no Paraguai que em outros países estariam atrás das grades há muito tempo, o Paraguai é um Paraguai diferente ao de décadas atrás e esse tipo de comportamento acho não será tolerado. Ou pelo menos é isso que espero sinceramente. 

HAH: “Twenty Days in Hell” foi o primeiro vídeo clipe da banda (“Truth of Reality” é o segundo), como foi o processo de filmagem do mesmo? E até que ponto vale uma banda undeground gravar vídeos clipes? 

JM: Foi muito legal fazer os clipes a gente deu muita risada, mas ao mesmo tempo trabalhamos muito duro, para o clipe de “Twenty Days in Hell” nós pegamos uma tela verde e compramos um monte de luzes, alugamos uma filmadora e fizemos muitos takes pra fazer o clipe de 5 min filmamos mais de 12 horas! Eu e o meu irmão (Ratty Gonzalez) trabalhamos como câmera man anos atrás, então tínhamos ideias e nos divertimos trabalhando para a nossa musica, alem disso o ex - guitarrista do Kuazar (Pablo de Jesus) e o nosso editor oficial, ou seja, é um time bem caseiro dai a gente com pouca grana e muita disposição tentamos colocar um material de qualidade pra galera. 

Particularmente a gente acha que e legal fazer clipes, os metalheads ficam mais íntimos com a banda e ficam conhecendo o rosto dos músicos da banda. E também da pra imaginar como é a banda ao vivo, já que muitas vezes para as bandas underground é complicado excursionar e tocar em cidades ou países que estão longe. E já que o Kuazar infelizmente ainda não tem uma vasta discografia à internet se torna o melhor jeito da galera de lugares distantes verem e conhecer a banda. Os vídeo clipes e os vídeos de shows ao vivo foram muito importante pra nós. 


Um dos grandes nomes do Thrash Metal paraguaio 
HAH: Para quem nunca viu o Kuazar ao vivo como você poderia descrever uma apresentação da banda? E o que vocês conhecem da cena em nosso país? 

JM: PAULADA! Hahaha acho que essa é a palavra que descreve melhor a gente, claro que também temos momentos mais técnicos, mas sempre na hora de compor a gente tenta se esforçar para que esses momentos também sejam legais pra galera ao vivo e sejam bem bate-cabeça mesmo. O Brasil e o pais que mais acolheu o Kuazar depois do Paraguai já tocamos com bandas como Claustrofobia, Torture Squad, Violator e Chakal todas grandes bandas! E claro adoramos o Sepultura. O povo brasileiro e o do meu país combinam é muito legal tocar no Brasil e tenho grandes amigos alem da ponte da amizade. Mas claro o Brasil é enorme e tem muito que a gente ainda quer ver, o Kuazar ainda tem muito por fazer no Brasil!!! 

HAH: Gostaria de agradecê-los pela entrevista e antes de finalizar gostaria que vocês nos contassem os planos futuros do Kuazar para este ano. 

JM: Obrigado a vocês! É uma honra pra nós falar com vocês! 

Agora estamos fazendo nossa data oficial que é o KURIJU METAL FEST que é tipo a nossa festa onde o Kuazar recebe bandas amigas e fazemos um puta show!! Está será a segunda edição e vai ser na capital do Paraguai em Asuncao. Também será a primeira data de comemoração do nosso 10° aniversario como banda (2002-2012) e a próxima será na nossa cidade natal CIUDAD DEL ESTE fronteira com o Brasil. 

Mais adiante Temos datas em Cascavel e Pato Branco no Brasil, e outras datas no Paraguai e pretendemos colocar na circulação um material áudio visual com shows ao vivo da banda. 

Para o final do ano temos a intenção de entrar em estúdio e gravar o segundo disco do Kuazar e também trabalhar pra fechar datas em outros países da America e também estamos negociando datas na Europa! O que e muito emocionante pra nós... 

Acesse e conheça mais a banda
Confira a resenha de "Whrath of God" aqui.

Entrevista por: Renato Sanson / Luiz Harley 
Introdução: Renato Sanson
Edição & Revisão: Renato Sanson
Fotos: Kuazar

0 comentários:

Postar um comentário

Share

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More