18 de dezembro de 2016

Resenha - Banda: Sinsaenum - Álbum: Echoes of the Tortured (2016 - Shinigami Records)

Resenha por: Uillian Vargas


Desde 1998 Frédéric Leclercq já demonstrava vontade de montar o seu projeto voltado ao Black Metal para blasfemar e despejar teorias caóticas aos quatro ventos. Pois bem, 18 anos mais tarde o projeto tomou corpo físico e finalmente existe. Sinsaenum nasce em 2016 e reúne sob o mesmo signo Frédéric (Dragonforce), Joey Jordinson (ex-Slipknot, Murderdolls, etc.), Sean Zatorsky (Dååth), Atilla Csihar (Mayhem), Heimoth (Seth) e Stéphane Buriez (Loudblast) em uma união no mínimo inesperada (ou improvável, para ser mais exato). E a naturalidade da banda? Trata-se de uma banda “Franco – Estadunidense Húngara”, já que é impossível unir todos os países no mesmo continente. Porém artisticamente estas fronteiras tornam-se limítrofes com muita facilidade, afinal a música é fluente em uma única língua: A inspiração!

Claro que quando você escuta alguns dos nomes, isso pode causar certo “torcicolo no nariz”: Frédéric e Joey Jordinson juntos numa banda? E tocando Black/Death Metal?

Mas calma por um instante, às vezes surpresas podem estar escondidas por trás da máscara (piada infame com o ex-Slipknot). O primeiro ponto a ser ressaltado é o peso dos riffs e o contraponto com os acordes que variam entre “melódico-rápidos e pesados”, de fato algo surpreendente. O Segundo ponto brilhante do disco é que existem dois vocais na banda (como assim?). Exatamente, são dois vocalistas em uma banda de Black/Death Metal! Nessa formação, dá para arriscar o palpite que alguns ingredientes (dois vocais) estão um pouco deslocados da realidade do estilo, porém a combinação da voz de Sean Zatorsky e Attila Csihar trouxe um peso extra para as execuções. Perfeito!

“Splendor and Agony” é um belo cartão de visitas que dá uma amostra do potencial da banda. Rápida, pesada, lamuriosa e os vocais trazem à tona, de fato, um tom de agonia e desespero. Culmina com o solo muito bem construído que conecta com um groovasso pesado de alto nível, um convite irrecusável para o “bater cabeça”. “Inverted Cross” é o estandarte do Black Metal e talvez a faixa que vá fazer os fãs do estilo prestarem atenção na banda e no disco.

 Porém, o palpite para o ponto alto do disco está duas músicas adiante: “Army of Chaos”. Refrão padrão e grudento, riffs gordos com pegada mais técnica do Death Metal e vocais impregnados de fúria (bradando ordens de caos) trazem solidez inigualável ao álbum “debut” da banda. Além do mais a faixa é praticamente uma verdadeira ode ao Thrash Metal motivada pela participação especial de Schmier (Destruction e Pänzer), Dr. Mikannibal (Sigh) e Mirai Kawashima (Necrophagia, Post Mortem e Sigh).

“Echoes of the Tortured” (2016), entrega satisfatoriamente mais de uma hora de sonoridade medida em toneladas.  E como não se cansar durante a audição já que são 21 músicas? Tranquilo, pois das 21 faixas, 10 são instrumentais e introdutórias da faixa seguinte e duram poucos segundos. O mais interessante da obra, como um todo, é que qualquer influência de Dragonforce e/ou Slipknot é absolutamente alheia ao disco. Não se sente nada de identidade com estas bandas, a não ser a excelente qualidade dos músicos. Muito pelo contrário, dá para identificar alguns riffs “a lá” Behemoth, Morbid Angel e Deicide se querem saber. “Final Curse” traz até uma pitada de Cavalera Conspiracy bem discreta pela rapidez e fúria da execução.  Do ponto de vista analítico, as influencias estão muito bem fundamentadas e trazem identidade ao trabalho, da nova banda. Feeling de quem está há muito tempo na ativa dentro do mundo da música e já sabe exatamente “aonde quer chegar” com suas obras. Talvez o único ponto “não positivo” do material esteja justamente nas “faixas intro”. Para um disco de Black/Death Metal existe um número muito alto de faixas introdutórias (10 delas, pelo menos) que podem causar uma “quebra no clima”. Então vocês escutam uma pedrada e quando ela acaba e você fica no aguardo do próximo “tijolasso”, entra uma faixa instrumental que, ainda que sombria, é melodiosa e calma.

A mixagem e a masterização dessa pedrada ficou a cargo de Jens Bogren, que já mixou gente grande como Kreator, Grand Magus, Daydream, Opeth, Powerwolf, etc.

Quem assina a arte da capa é o guitarrista e vocalista da Bloodway, Costin Chioreanu. Esta incursão no mundo das cover Arts não é novidade, Costin já assinou capas de bandas bem conhecidas como Spiritual Beggars, Arch Enemy, Darkthrone e (a brasileira) Krow.

Feita introdução à banda e seu trabalho, estendido o currículo dos integrantes e feita à marcação dos pontos do disco, fica aqui o convite à destruição sonora. Certamente vale muito a pena conhecer o trabalho da banda. Esta é mais uma novidade que chega ao Brasil pelas mãos (e dedicação) da Shinigami Records.

Lineup:
Sean Zatorsky – Vocal
Attila Csihar - Vocal
Frédéric Leclercq - Guitarra, baixo e teclados
Heimoth - Baixo
Stéphane Buriez - Guitarra
Joey Jordison – Bateria

Tracklist:
1. Materialization - instrumental
2. Splendor and Agony
3. Excommunicare - instrumental
4. Inverted Cross
5. March - instrumental
6. Army of Chaos
7. Redemption - instrumental
8. Dead Souls
9. Lullaby - instrumental
10. Final Curse
11. Condemned to Suffer
12. Ritual - instrumental
13. Sacrifice
14. Damnation - instrumental
15. The Forgotten
16. Torment - instrumental
17. Anfang des Albtraumes
18. Mist - instrumental
19. Echoes of the Tortured
20. Emptiness - instrumental
21. Gods of Hell

Deluxe Edition bonus tracks

22. Oblivion -  instrumental
23. Death Is the Beginning



0 comentários:

Postar um comentário

Share

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More