2 de abril de 2021

Clássicos do Death Metal #01: "Deicide" (1990) - Deicide

Salve Headbangers!
O maldito filho a casa retorna! Estou extasiado e feliz em poder escrever novamente aqui no Heavy And Hell, um blog feito para headbangers, sem modismos como se estivéssemos em um papo de mesa de bar (em épocas de pandemia tem que ser virtual mesmo). Então sem mais delongas, vamos falar de um marco para a cena do Death Metal, o debut auto intitulado do Deicide.

 
O começo da década de 90 foi um divisor de águas para a cena do metal morte a nível mundial, claro que algumas bandas e locais se destacaram e quando falamos na região da Flórida, mais precisamente Tampa, se destacaram nomes como Death, Morbid Angel, Obituary e Amon que daria origem ao Deicide.

A mente por trás de tal formação foi o baterista Steve Asheim (bateria) que no ano de 1987 tinha o Carnage ao lado dos irmãos Eric e Brian Hoffman, dupla de guitarristas que veio a marcar para sempre a história do Deicide. Vale ressaltar que tem fãs que dizem que desde a saida deles, o grupo nunca mais foi o mesmo!

Com a entrada de Glen Benton na banda fez eles ganharem a personificação da maldade que tanto procuravam. Confira as duas demos do ainda Amon, "Feasting The Beast" e "Sacrificial" e você irá perceber algumas ideias que depois seriam lapidadas em trabalhos futuros.

A transição para Deicide vem com o contrato com a Roadrunner Records. Assim, gerado no berço maldito do Morrisound Studios contando com o toque de 'Midas' de Scott Burns temos então "Deicide"! O primeiro full inédito, ou quase, pois dos dez sons, oito estão nas demos do Amon já citadas, só que aqui com a produção que merecem.

Como um tiro afrontoso na cara do moribundo nazareno e no pilar religioso que falsamente sustenta a humanidade, as letras do trabalho vão desde citações a maníacos como Charles Manson (Lunatic Of God's Creation) e Jim Jones (Carnage In The Temple Of The Damned), passando também pela fonte quase inesgotável de influências que é "Evil Dead" (a "Morte do Demônio", no Brasil) filme do diretor Sam Raimi com o clássico dos clássicos Dead by Dawn.

Ouvindo o trabalho hoje, note como ele continua influente e atual. Lunatic Of God's Creation tem a marca de Steve Asheim com seus blast beat marcando o tempo da música e os vocais dobrados de Glen que são uma marca inconfundível do Deicide. Já na abertura, está tudo ali e estamos falando de uma faixa presente em todos os set lists da banda até hoje.


Sacrificial Suicide eleva a satânica potência à escola do Slayer, note o riff inicial da mesma. Oblivious To Evil te impressiona quando você lembra que além dos grunhidos e berros Glen também está no baixo, fazendo a base para um trabalho de guitarra matador. E por falar em matador, como citei aqui, o som que na minha opinião é um dos maiores hinos do death metal, Dead By Dawn, ou mortos ao amanhecer é uma profecia, deixando claro o castigo para todos que não vangloriar essa profana obra.

Blaspherereion é o extremo do extremo, pode parecer bizarro falar isso afinal de contas esse é um trabalho de metal extremo mas esse som é tão veloz e agressivo que se destaca como um desafio para qualquer banda executar essa faixa em especial.

NO LORD SHALL STAND BEFORE MYSELF!!!!!!!!!!!!
- nenhum senhor estará diante de mim. Essa é a mensagem da faixa que batizaria a banda a partir desse registro, e deixa claro o satanismo, que é uma marca de Glen e isso gerou para ele ao longo dos anos muita dor de cabeça e fama também, quem não se lembra da história do suicídio?

Jim Jones é uma mácula na história moralista americana, então começar um som com uma fala dele é sim uma afronta! A letra retrata o massacre que o mesmo gerou, um mar de 909 corpos sendo mais de 300 menores de idade. Mephistopheles é uma das faixa feitas especialmente para esse trabalho de estreia e se Araya canta rápido em Piece by Piece logicamente Benton também consegue. Fica aqui um desafio, tente cantar junto com a letra!

Estamos chegando ao final do trabalho, Day Of Darkness é uma das mais curtas com pouco mais de dois minutos e os urros de Benton a frente, narrando o dia em que o mal vencerá, e se temos o trabalho abrindo com um clássico, nada mais justo do que fechar com essa proposta, então Crucifixation é o suprassumo do que ouvimos até aqui e com a frase que sintetiza todo o ouvinte desse trabalho até aqui "You will give praise to Satan!".

Você irá louvar satanás e nós iremos louvar a obra do Deicide, um opus que é um dos marcos do metal morte. Não poderíamos voltar melhor às atividades em uma sexta feira supostamente $anta.
 
 
Tracklist:
01 - Lunatic Of God's Creation
02 - Sacrificial Suicide
03 - Oblivious To Evil
04 - Dead By Dawn
05 - Blaspherereion
06 - Deicide
07 - Carnage In The Temple Of The Damned
08 - Mephistopheles
09 - Day Of Darkness
10 - Crucifixation

Formação:
Glen Benton - vocal e contrabaixo;
Eric Hoffman - guitarra;
Brian Hoffman - guitarra;
Steve Asheim - bateria.
Resenha: Luiz Harley Caires

0 comentários:

Postar um comentário